CrossFit Games

Cinco Principais Lições das Quartas de Final

April 11, 2021 by
Credit: Fitness Volt
Enjoying Morning Chalk Up? Access additional exclusive interviews, analyses, and stories with an Rx membership.

Editor’s Note: This story was translated to Portuguese from the original English version, which you can read here.

As primeiras quartas de final dos CrossFit Games chegaram e já acabaram e, embora as histórias a serem contadas sejam muitas, há cinco lições importantes e rápidas que merecem reconhecimento imediato.

1: Perderam o corte

O primeiro lugar que me atrai depois de uma competição como esta é a linha de corte, especificamente, quero saber se algum grande nome ficou de fora. Sendo o primeiro ano de competição das quartas de final, o quão difícil pode ser a classificação para as semifinais em cada continente era algo desconhecido. Abaixo está uma lista de nomes notáveis ​​que estiveram relativamente próximos da classificação. Muitos desses são de pessoas que a maioria teria colocado como semifinalistas há uma semana.

Mulheres norte-americanas:

124º – Carrie Beamer

126º – Baylee Rahl

129 – MaryKay Dreisilker

137 – Hilary Steele

146 – Stacy Tovar

149 – Alex Parker

Homens norte-americanos:

121º – James Sprague

129º – Streat Hoerner

133º – Jason Carroll

136º – Tristan Mariorano

157º – Cody Anderson

Mulheres europeias:

65º – Lisa Eble (Alemanha)

66º – Hanne Venemyr (Noruega)

69º – Hanne Short (Noruega)

70º – Carole Castellani (França)

75º – Sabrina Caron (França)

77º- Andrea Solberg (Noruega)

Homens europeus:

61º – Klaus Uggerhoj

64º – Michael Smith

71º – Will Kane

81º – Lukas Hogberg

94º – Kristof Horvath

Mulheres da Oceania:

31º – Laken Watt

34º- Courtney Haley

Homens da Oceania:

33º – Luke McMahon

34º – CJ Walker

Mulheres sul-americanas:

32º – Carolina Long

Homens sul-americanos:

31º – Omar Martinez

43º – Pablo Chalfun

Homens africanos:

32º – Ahmed Eid

Esta lista não fala da incapacidade desses atletas, mas sim da profundidade do campo em determinadas regiões. Sempre tem gente treinando forte e com muita ambição, pronta para lutar por uma vaga. Saber disso torna a lição número dois muito mais impressionante:

2: A Velha Guarda

Apesar da constante mudança do cenário competitivo, existe uma “velha guarda” de atletas que continuam a ter um desempenho excepcionalmente bom ano após ano. Mesmo com este formato novo, este grupo de atletas conseguiu garantir um convite para a Semifinal, se quiserem um, e também possuem experiência nos Games desde ANTES de 2015:

Homens africanos:

David Levy: 26º África

Mulheres da Oceania:

Kara Saunders: 2ª Oceania

Homens da Oceania:

Rob Forte: 4ª Oceania

Brandon Swan: 6º Oceania

Homens europeus:

Jonne Koski: 4ª Europa

Bjorgvin Karl Gudmundsson: 5ª Europa

Frederik Aegidius: 9ª Europa

Mulheres europeias:

Kristin Holte: 3ª Europa

Annie Thorisdottir: 9ª Europa

Katrin Davidsdottir: 11ª Europa

Sam Briggs: 12ª Europa

Thuri Helgadottir: 19º Europa

Homens norte-americanos:

Travis Mayer: 1ª América do Norte

Scott Panchik: 2 ° América do Norte

Noah Ohlsen: 9º América do Norte

Ben Smith: 18º América do Norte

Cole Sager: 20º América do Norte

Will Moorad: 60º da América do Norte

Rogelio Gamboa: 67º América do Norte

Paul Tremblay: 79º da América do Norte

Kyle Kasperbauer: 85ª América do Norte

Mulheres norte-americanas:

Regan Huckaby: 7ª América do Norte

Alessandra Pichelli: 14ª América do Norte

Lauren Fisher: 28ª América do Norte

Chyna Cho: 53ª América do Norte

Jennifer Smith: 92ª América do Norte

Rebecca Voigt Miller: 109ª América do Norte

3: O Movimento Juvenil é Real

No extremo oposto do espectro está o fato, hoje mais que óbvio, de que os jovens estão chegando. Sem dúvida, haverá muito mais informações sobre esses adolescentes nas próximas semanas, meses e anos; mas, por enquanto, simplesmente deve ser reconhecido que na divisão feminina, da América do Norte em particular, é possível que as atletas ainda elegíveis para as categorias Teens vão lutar por uma vaga nos Games na divisão de elite nesta temporada.

Mallory O’Brien: 3ª América do Norte; 1 ponto de empate para o primeiro

Emma Cary: empatada em 4º na América do Norte (empatada com Brooke Wells)

Paige Powers: 23ª América do Norte.

Emma Lawson: 24ª América do Norte

Olivia Sulek: 30ª América do Norte

Nota: estes são apenas as adolescentes elegíveis para a categoria Teen nesta temporada; há vários outros atletas entre 18 e 22 que serão destaques nas semifinais.

4: O teste funcionou?

Novamente, há muito que precisa ser considerado aqui, mas a impressão inicial tem que ser sim. Apesar do fato de haver alguns elementos ausentes à primeira vista (sem rig, sem argolas e apenas cinco testes), quando visto como um todo, existem alguns grandes pontos positivos aqui:

  • 1: Domínios de tempo: em um fim de semana que contou com cinco testes, os domínios de tempo testados foram maravilhosamente variados: um levantamento que levou cerca de 20 segundos, um sprint de dois a três minutos no teste 5; dois testes de intervalo médio, um de sete a nove minutos, outro de dez a doze minutos e, em seguida, um teste mais longo no intervalo de 15 a 18 minutos.
  • 2: Quem se classificou? : em um cenário como este, olhando perto da linha de corte em, se o teste for bem equilibrado, eu gostaria de ver atletas de vários níveis de experiência e biotipo (peso, altura, etc). Sem entrar em muitos detalhes, esse critério foi atendido de forma adequada.
  • 3: Quem Venceu?: em última análise, se o teste for bom, os melhores atletas ficarão no topo da classificação; e bem, uma rápida olhada revela os três primeiros lugares em seus respectivos continentes sendo nomes conhecidos, dando validade ao teste.

5: Desempenho excepcionalmente bom

Finalmente, como normalmente é o caso, ocasionalmente há um atleta que tem um desempenho muito bom e que mesmo aqueles que estão prestando mais atenção ao esporte não estão familiarizados. É uma das coisas mais bonitas de um esporte aberto como o CrossFit.

O norte-americano Sarin Suvanasai, que atualmente está em décimo, é este atleta. Ele competiu no Open várias vezes antes, mas seu melhor resultado na carreira foi 963º em 2020. Este ano ele ficou em 554º. Ele listou uma repetição máxima de 375 libras para clean and jerk e 300 libras para snatch. Mas ele não tem experiência Regional, Sancionado ou em Games; e certamente tentará provar que pertence ao palco ao vivo nas semifinais.

Get the Newsletter

For a daily digest of all things CrossFit. Community, Competitions, Athletes, Tips, Recipes, Deals and more.

This field is for validation purposes and should be left unchanged.