Em Constante Evolução: Seis Atletas das Regionais de 2018 Para Ficarmos de Olho em 2021

February 9, 2021 by
Photo credit: Dani Speegle, (instagram.com/dellespeegle/)
Enjoying Morning Chalk Up? Help to ensure that we can continue to be an independent voice for the community and sport we love by supporting our journalism today.

Editor’s Note: This story was translated to Portuguese by Axel Gouveia from the original English version, which you can read here.

Na parte final desta série, estamos destacando alguns atletas que competiram nas Regionais em 2018 e não conseguiram chegar aos Games. No entanto, esses atletas têm sido extremamente impressionantes desde então e podem ter um grande impacto no desenrolar da temporada de 2021.

Lazar Dukic (8º na Europa em 2018): Um oitavo lugar na Europa realmente não é um desempenho tão ruim, mas Dukic não estava nem perto do calibre de atleta que ele é hoje.

  • O que ele tem feito ultimamente? Além de ser o homem mais condicionado da Sérvia nos últimos quatro Opens, Dukic terminou em quinto no Dubai CrossFit Championships em dezembro de 2019. Os únicos atletas a vencê-lo foram Brent Fikowski, Pat Vellner, Roman Khrennikov e Bjorgvin Karl Gudmundsson.
  • Os atletas que ele venceu nesta competição incluíram Jonne Koski, Jason Smith, Jeffrey Adler, Tola Morakinyo, Elliot Simmonds, Uldis Upenieks, Alex Kotoulas, Willy Georges, Zach George, David Shorunke, Alexandre Caron e Travis Mayer.
  • Dukic tem 25 anos e tem treinado com propósito. Fique de olho nele este ano.

Giorgos Karavis (31º na Europa em 2018): Ao contrário de Dukic, 31º não era nada digno de ser notado. Mas Karavis era um jovem atleta de 23 anos com pouca experiência na época. Ele é um atleta bem diferente hoje em dia.

  • O que ele tem feito ultimamente? Karavis tem melhorado continuamente no Open, passando de 79º em 2018 para 74º em 2019 e então saltando para 34º em todo o mundo em 2020.
  • Seu desempenho mais impressionante nos Sancionados veio no Strength in Depth em janeiro de 2020, onde terminou em 5º lugar. Os atletas à sua frente eram Mat Fraser, David Shorunke, Lukas Hogberg e Bronislaw Olenkowicz.

Andre Houdet (27º no Meridian em 2018): Como Dukic e Karavis, Houdet está na casa dos vinte anos, participou de alguns Sancionados, e é um atleta completamente diferente do que apenas alguns anos atrás.

  • O que ele tem feito ultimamente? Houdet vem de seu melhor desempenho no Open de todos os tempos no ano passado: 61º mundial e o segundo na Dinamarca.
  • Ele terminou em segundo lugar no Fittest in Cape Town em 2019, em décimo primeiro no Sancionado da Irlanda no outono de 2019  e em sexto no Strength in Depth em janeiro de 2020.

E quanto às mulheres?

Dani Speegle (8º na Atlantic em 2018): Speegle é um nome conhecido agora, mas em 2018 poucos sabiam quem ela era. Ela ficou em 10º lugar em 2017 com a equipe Kings Point na Atlantic Regional, mas, fora isso, era uma completa desconhecida.

  • Desde 2018, Speegle está entre as atletas mais ativas no esporte em termos de competição, mas também em termos de expansão de sua influência nas redes sociais. Ela competiu em cinco Sancionados na temporada 2018-2019 antes de terminar em 26º nos Games. A temporada 2019-2020 teve um início frustrante para ela, pois estava lidando com uma lesão e não conseguia competir tanto quanto gostaria. Nesse tempo, ela expandiu sua mídia social para mais de 650.000 seguidores no Instagram.
  • Aos 27 anos, ela certamente ainda está no auge de sua carreira e é sem dúvida uma atleta a se observar no novo formato da temporada de 2021.

Larissa Cunha (10ª na América Latina em 2018): Cunha tem 30 anos e é a mais condicionada do Brasil. No ano passado, ela terminou em 15º em Dubai e em 19º em Wodapalooza, as duas competições mais disputadas do calendário de Sancionados.

Sasha Nievas (24º na América Latina em 2018): Nievas é muito jovem com apenas 22 anos. Ela foi a segunda mais condicionada na Argentina no ano passado e a 36ª colocada mundial no Open. Todos se lembrarão de seu incrível desempenho no Open e da vitória mundial no 20.4. Ela venceu Sara Sidmundsdottir por apenas três segundos, mas a terceira colocada naquele evento (Annie Thorisdottir) estava mais de um minuto atrás das duas primeiras.

  • Nievas disputou o Brazil CrossFit Championship em 2019 e terminou em nono. Ela não competiu em nenhum Sancionado na temporada abreviada de 2020.

Essas duas mulheres estão vindo da América do Sul. No passado, a América do Sul teve muito pouca representação nos Games, apesar de ter uma grande população de participantes no Open. Todos os sinais sobre as mudanças estruturais para a temporada de 2021 sugerem que a América do Sul terá uma representação mais adequada nesta temporada, o que é um bom presságio para ambas as atletas em constante evolução.

Get the Newsletter

For a daily digest of all things CrossFit. Community, Competitions, Athletes, Tips, Recipes, Deals and more.

  • This field is for validation purposes and should be left unchanged.