Brooke Wells e Suas Duas Diferentes Experiências Nos CrossFit Games 2020

November 17, 2020 by
Photo courtesy of CrossFit LLC.

Para Brooke Wells, os Reebok CrossFit Games 2020 podem ser descritos em duas palavras “evolutivo e inconsistente”; cada palavra coincide com as duas etapas dos Games. Na primeira etapa, online, Brooke Wells foi a única atleta a ameaçar a dominância da Tia-Clair Toomey, ficando em segundo lugar, atrás da então tricampeã. Na segunda fase a história foi diferente, a consistência que ela mostrou no conforto do seu box, CrossFit Trivium, foi completamente desordenada com os elementos desconhecidos e duros encontrados no Rancho e no Morgan Hill Sports Complex, em Aromas, CA.

Importante ressaltar: Brooke Wells é uma das mais conhecidas atletas de CrossFit no mundo graças às suas redes sociais, que incluem 1.3 milhões de seguidores no Instagram e grandes patrocinadores como a NOBULL. Contudo, o que falta é o tão cobiçado pódio para garantir o seu legado entre as pioneiras do esporte. Os Games de 2020 ofereceram a sua melhor chance para isso, mas no final das contas ela acabou ficando em quinto lugar, apesar de ser uma das favoritas para ficar no pódio.

Relembrando: Uma vez considerada o futuro do esporte, quando se classificou para os CrossFit Games pela primeira vez em 2015 e ficou na 16° colocação com apenas 19 anos, levando a torcida à loucura no Tennis Stadium do Stub Hub Center com um clean and jerk de 232 lbs (105 kg).

Um ano depois, a estudante da Universidade do Missouri deu um grande salto, finalizando em sexto lugar nos Games graças a 10 colocações dentro do top 10, incluindo o seu momento histórico nos Games na prova Ranch Deadlift Ladder. Naquele evento ela foi a única mulher a fechar a escada, com um levantamento de 415 lbs (188.6kg), conquistando sua primeira vitória em um evento nos Games.

Ficando ainda mais no centro das atenções com a performance nos Games, ela foi considerada uma “campeã em espera”. Não era uma questão de se, mas de quando ela ficaria no pódio. Em vez disso, nos próximos três Games ela foi afligida com inconsistência e má sorte.

  • Games de 2017: Ela não conseguiu superar uma largada lenta que a deixou em 30° lugar geral durante os quatro primeiros eventos. Ela conseguiu terminar com cinco colocações dentro do top 10, garantindo um 14° lugar no geral ao final da competição.
  • Games de 2018: Outra largada lenta a assombrou, mas uma segunda colocação no CrossFit Total a ajudou a conquistar 11 colocações dentro do top 10, incluindo sua segunda vitória de um evento na prova de Handstand Walk com obstáculos. Ela terminou em oitavo lugar na sua quarta participação dos Games.
  • Games de 2019: Brooke Wells declarou que estava na melhor forma física da sua vida e pareceu estar sustentando essa afirmação estando, confortavelmente, em 7° lugar indo para a prova que cortaria o número de atletas para dez. O Sprint devia ter sido um evento que a antiga estrela de atletismo ficaria facilmente dentro do top cinco, mas ao invés disso ela ficou em último lugar, sendo penalizada por pisar na linha, finalizando sua participação nos Games de 2019 na décima quinta colocação geral.

Os Games de 2020: Wells se classificou pelo Open para seu sexto Games consecutivo, onde ficou em 11° lugar geral. Depois do caos e da incerteza causados pela pandemia do COVID-19 na temporada, e as controversas declarações do fundador da CrossFit Greg Glassman sobre o assassinato do George Floyd, ela foi uma das primeiras atletas a anunciar que não iria competir nos Games até que ocorresse uma mudança na liderança da CrossFit. 

Depois que o Glassman saiu do cargo, vendeu a CrossFit para o Eric Roza e o QG da CrossFit trabalhou em busca do reconhecimento da desigualdade, ela anunciou que iria competir nos Games.

Brooke Wells surpreendeu muitos com a sua performance na fase online, prosperando no novo formato e sendo a atleta feminina mais consistente. Ela foi a única atleta feminina a terminar dentro do top 10 em todos os sete eventos, e ficou mais perto da primeira colocada (35 pontos da Tia) do que a terceira (83 pontos na frente da Haley Adams).

A sua performance fez dela a favorita para acabar com a seca do pódio americano, e pareceu mais focada do que nunca devido à mudança para Nashville, TN, onde foi para treinar com o atleta dos Games Will Moorad na CrossFit Trivium. Logo depois outros dois atletas dos Games, Streat Hoerner e Alec Smith se juntaram à ela e também a ajudaram a treinar para a etapa online e para as finais.

Enquanto o sucesso na primeira etapa foi destacado pela consistência, a sua performance na segunda etapa foi o oposto. Como no último Games ela teve dificuldades logo no começo com duas últimas colocações. No 2007 Reload pareceu que ela estava com a terceira colocação garantida, mas cansada na última série de shoulder to overheads, teve um número enorme de no reps. No evento dois, o Corn Sack Sprint, ela teve uma saída forte, mas assim que a colina ficou mais íngreme acabou ficando para trás.

Um evento familiar, com um resultado familiar, a ajudou a se levantar. Ela conseguiu a segunda colocação no CrossFit Total, perdendo para a Tia-Clair Toomey por apenas seis libras, com um total de 884 lbs (401 kg). Em 2018, ela perdeu para a Tia no CrossFit Total por cinco libras.

Photo courtesy of CrossFit LLC.

Depois desse evento, conseguiu a sua terceira vitória em uma prova na carreira, mais uma vez mostrando sua habilidade no handstand walk. As duas boas colocações seguidas a colocaram no terceiro lugar geral, mas o último evento do dia, a difícil Ranch Loop, fez com que ela voltasse para a quinta colocação no final do primeiro dia. 

No segundo dia ela começou com uma terceira colocação no Toes-to-Bar/Lunge e depois teve uma segunda colocação no Snatch Speed Triple, ficando novamente no top três, com mais dois eventos para acontecerem no dia. Ela começou forte no Bike Repeater, mas acabou fadigando e ficando em quinto. No último evento do dia, ela mostrou persistência, manteve o ritmo da Tia-Clair Toomey durante as primeiras quatro rodadas, mas então acabou tendo praticamente o mesmo destino do 2007 Reload. Falhou um número alto de repetições nos thrusters na última rodada e acabou sendo ultrapassada por outras duas atletas, ficando em quarto lugar.

O último dia de competição foi uma mistura de resultados para Brooke Wells, ela ficou em quarto lugar no Swim ‘N’ Stuff, depois em segundo lugar no Sprint Sled e terminou com uma última colocação na Atalanta. O seu quinto lugar no geral foi a melhor colocação da sua carreira.

Conclusão: Por mais desapontada que a Brooke Wells tenha ficado depois da sua performance durante a segunda etapa dos Games, ainda há muito o que ser otimista sobre o seu futuro. Ela tem apenas 25 anos e nunca teve nenhuma lesão séria. As 14 libras de diferença entre o seu resultado no CrossFit Total em 2018 e neste ano mostram que ela está ficando mais forte. Na primeira fase ela mostrou que pode ir melhor e ser mais consistente em workouts de CrossFit tradicionais. E nós esquecemos que ela só está treinando sem outras preocupações há dois anos, durante o início da sua carreira fazia faculdade. Ben Bergeron também irá continuar a programar e ser seu treinador. Seu treinamento evoluiu com o Bergeron e agora ela tem outros atletas dos Games para treinar junto.

Photo courtesy of CrossFit LLC.

Contudo, suas dificuldades em eventos longos de cardio continuam a assombrá-la. Esses eventos têm aparecido nos Games nos últimos três anos e ela continua a ter problemas neles, perdendo pontos que não poderia perder. Se ela conseguir melhorar essa fraqueza e ficar no meio do leaderboard neles ao invés de no final, não há razão para pensar que ela não poderia tentar uma disputa pelo pódio nos próximos anos.

Get the Newsletter

For a daily digest of all things CrossFit. Community, Competitions, Athletes, Tips, Recipes, Deals and more.

  • This field is for validation purposes and should be left unchanged.