Mulheres Atletas de CrossFit Expõem o Lado Negro do Instagram: “É o Que Você Tem Que Lidar Agora”

April 26, 2021 by
Enjoying Morning Chalk Up? Access additional exclusive interviews, analyses, and stories with an Rx membership.

Editor’s Note: This story was translated to Portuguese from the original English version, which you can read here.

Em 2016, Dani Speegle entrou no Instagram e encontrou uma foto do pênis de um estranho.

“Abri uma mensagem do direct e havia um cara sentado na pia do banheiro, com o pênis na mão, e ele escreveu uma mensagem bem vulgar”, diz ela. Ela começou a documentar publicamente sua jornada no CrossFit cerca de dois meses antes, mas ainda não tinha acumulado os 678 mil seguidores que tem atualmente. “Eu fiquei tipo,‘Deus, bem, isso não vai acontecer com muita frequência. Vai ser uma só vez e vou continuar com a minha vida como de costume.’ Eu estava tão errada.”

Quase cinco anos depois, Speegle recebeu mais mensagens vulgares no Instagram do que ela pode contar. Algumas vem de perfis que ela nunca viu antes. Outras são de pessoas repetidas: embora ela tenha denunciado o homem por trás da foto original, ele persistentemente encontrou o caminho de volta.

“Esse homem, há mais de quatro anos, criou provavelmente 20 novas contas e me enviou a mesma coisa várias vezes”, explica ela. “Então, a primeira que recebi, provavelmente recebo a cada dois meses. Tenho recebido a cada dois meses há quatro anos. ”

Em 2021, não é incomum para um atleta colocar tanto esforço em sua presença no Instagram quanto em seu esporte. Um grande número de seguidores pode ser o fator decisivo em negócios com marcas, palestras e outras fontes de renda suplementares. Mas para proeminentes CrossFitters mulheres, esses benefícios vêm com uma advertência: muitas sofrem assédio sexual de usuários desconhecidos, presumivelmente do sexo masculino, na plataforma, especialmente por meio de mensagens diretas.

“Abri uma mensagem do direct e havia um cara sentado na pia do banheiro, com o pênis na mão, e ele escreveu uma mensagem bem vulgar.”

Dani Speegle

Sola Sigurdardottir, uma atleta contratada pela Nike com mais de 100 mil seguidores no Instagram, disse que no início de sua carreira, ela recebeu mensagens não solicitadas de homens que eram mais paqueradores e irritantes do que assédio direto. “Tudo começou com,‘Oh, você é tão bonita’,‘Cutie’ e coisas assim”, explica ela.

Mais recentemente, o tom mudou. “Ficou mais agressivo no ano passado”, diz ela, observando que no mês passado, ela recebeu uma resposta alarmante a uma imagem que postou em seu storie. “Havia esse cara querendo fazer sexo comigo, dizendo ‘Espere até eu terminar com você’, coisas assim. Obviamente, se eu vir essas mensagens, bloqueio imediatamente essa pessoa. Mas este já vinha mandando mensagens há algum tempo. Eu simplesmente não tinha notado. “

Sigurdardottir recebe tantas mensagens inadequadas, oferecer exemplos é fácil. “Aqui está um cara”, diz ela, lendo em seu telefone. “Ele diz que aqui vai‘ chupar meus seios ’, que os acha‘ tão sexy ’e diz ‘Estou com saudades dos seus peitos.’ Quando reclamei sobre o controle de natalidade [na minha história], ele disse que se eu não gostasse, eu deveria apenas ‘manter minhas pernas fechadas’… Ele diz que ‘vou precisar desse controle de natalidade’ assim que terminar comigo. Não sou uma pessoa assustada, mas quando leio coisas assim, fico tipo, e se eu encontrasse esse cara sozinha em algum lugar?”

No entanto, suas ambições atléticas profissionais exigem que ela ignore: “Você não pode ser sensível a isso quando tem essa base [de seguidores], mas isso era como se fosse um nível diferente.”

Esse tipo de assédio não está acontecendo apenas na privacidade dos DMs. “Eu quero ser seu namorado e ser o cara de sorte que consegue beijar sua barriga de cima a baixo Ella, e também posso mandar uma mensagem para você agora para conhecê-la melhor”, um usuário comentou recentemente sobre uma foto de Ella Wunger , um atleta sueca de CrossFit com 28 mil seguidores que se classificou para os CrossFit Games 2020 com o Team Progrm.

Para Speegle, o assédio se espalhou do Instagram para o mundo real.

“Quando me mudei da faculdade para Orlando, prestes a completar meu segundo ano de CrossFit, teve um cara que entrou em contato com a academia onde eu estava treinando na época”, lembra ela. “A pessoa que falou com ele ao telefone estupidamente deu meu número sem me perguntar, e ele começou a me assediar. Em cerca de dois anos e meio, tive que bloquear mais de 50 números porque esse cara me ligava e dizia coisas realmente nojentas. Entrei em contato com a polícia uma vez, e eles disseram, ‘Você pode conseguir uma ordem de restrição, mas não podemos aplicá-la porque ele não está fazendo nada ilegal neste momento.’” Na época, seus medos eram os mesmos Sigurdardottir expressou: “Eu estava tipo, ‘E se essa pessoa realmente decidir aparecer na minha academia um dia?’”

Naquele ano, a situação piorou quando um vídeo de Speegle apareceu misteriosamente no PornHub. O clipe, que mostra ela saindo de bicicleta de um estacionamento do Starbucks, já foi removido, mas é um exemplo real e perturbador de como os trolls online se tornaram encorajados. “No início, me senti aliviada”, explica ela. “Eu estava tipo,‘ OK, estou andando de bicicleta. Quem se importa? ‘Mas então eu vi que as visualizações no vídeo eram altas e os comentários eram nojentos … Ocorreu-me então que eu não poderia nem mesmo ir tomar um café na minha bicicleta sem ser sexualizada. Depois disso, parei de andar de bicicleta pela cidade. ”

“Você está afetando o dia de alguém, a noite de alguém, o medo de alguém de sair de casa”, diz Sigurdardottir. “Os efeitos que pode ter em uma pessoa são muito maiores do que só a mensagem.”

O assédio pode até impactar as oportunidades de carreira, que Speegle conhece muito bem. Depois de competir (e vencer) a segunda temporada dos Titan Games de Dwayne Johnson, o abuso verbal a forçou a perder um telefonema que poderia mudar sua vida.

“Naquela época, eu recebia ligações quase todos os dias. Foi exatamente a mesma ligação. Eu atendia, dizia olá, havia uma pequena pausa, e então o cara sempre dizia algo nojento como, ‘Eu quero ejacular em seus pés’ ”, diz ela.

“Ele disse que se eu não gostasse, eu deveria apenas ‘manter minhas pernas fechadas’… Ele diz que ‘vou precisar desse controle de natalidade’ assim que terminar comigo. Não sou uma pessoa assustada, mas quando leio coisas assim, fico tipo, e se eu encontrasse esse cara sozinha em algum lugar?”

Sola Sigurdardottir

Sem que ela soubesse, Johnson logo tentaria entrar em contato com Speegle de um número desconhecido semelhante: “Dwayne me ligou e houve uma pausa, e eu disse, ‘Não, hoje não. Não quero ouvir ninguém falando sobre ejacular em meus pés, então vou desligar e bloquear o número agora.’ Fiquei tão furiosa com as pessoas me assediando tanto que perdi essa oportunidade.

“É algo em que eu sinto que se as coisas pudessem ter sido diferentes, poderia ter sido algum tipo de negócio ou relacionamento pessoal”, explica ela. “Não há como eu dizer que algo teria acontecido, mas também não posso dizer que nada teria acontecido. O que eu sei é que por causa de tudo isso, eu definitivamente não dei a ele uma boa impressão de quem eu sou. É um daqueles momentos que vou olhar para trás e ficar realmente chateada, para sempre.”

No fim das contas, Speegle diz que tudo volta para o Instagram – de que outra forma o interlocutor original a teria encontrado?

Speegle nunca censurou suas postagens no Instagram para evitar DMs maliciosos, mas Sigurdardottir costuma pensar duas vezes antes de postar certas fotos. “Nem sempre me sinto confortável em divulgar o que quero, só porque sei quais comentários serão colocados em minhas postagens e quais mensagens diretas posso receber”, diz ela. “Quando eu coloco a maquiagem e visto um vestido, algo assim, aquelas fotos parecem receber mais curtidas e mais atenção, mais gente mandando por aí. Essas fotos recebem muito mais atenção do que quando eu acerto um PR de clean and jerk. ”

Ambas as mulheres concordam que suas experiências com assédio no Instagram não são incomuns, e que o problema afeta mais do que apenas aqueles com muitos seguidores. “Não importa o que você poste, os haters vão aparecer, as pessoas que amam você vão aparecer. É exatamente com o que você precisa lidar agora para ter uma conta na rede social, e nem mesmo uma conta com muitos seguidores ”, diz Speegle. “Eu tenho amigos que mantêm suas coisas muito, muito pessoais e eles têm ocasionalmente um DM de um fetiche estranho ou DM sexual. Não são apenas pessoas com muitos seguidores, e acho que as pessoas se esquecem disso. ”

“Eu sei que outras garotas estão entendendo – minha colega de quarto, semana passada, recebeu um Snapchat perguntando se ela precisava de um papaizinho. Está tudo ao nosso redor, não é apenas com os atletas ”, acrescenta Sigurdardottir.

Os homens que enviam mensagens a Speegle geralmente não estão envolvidos no CrossFit, mas ela sente que a comunidade deve fazer mais para lidar com os avanços sofridos pelas atletas. “Acho que em qualquer comunidade coisas como essas não são discutidas o suficiente”, diz ela. “Eu acho que quando as pessoas não tem uma resposta para um problema, elas tendem apenas a passar para o próximo problema.”

“Eu sei que outras garotas estão entendendo – minha colega de quarto, semana passada, recebeu um Snapchat perguntando se ela precisava de um papaizinho. Está tudo ao nosso redor, não é apenas com os atletas.”

Sola Sigurdardottir

Sigurdardottir concorda: “Deve ser discutido mais, cem por cento. Talvez haja um artigo aqui e ali, mas acho que tudo fica esquecido. ”

Em fevereiro, o gerente de talentos do CrossFit, Snorri Baron, postou um e-mail recebido por uma de suas clientes no Instagram. “Tipo de arranjo papaizinho / bebê”, escreveu o remetente. “Vi você no IG, impressionante … Pode ser uma maneira de ganhar um bom dinheiro e isso dificilmente é trabalho.” Nenhuma menção é feita à habilidade, carreira ou agência pessoal do atleta.

“Quando eu recebo essas mensagens, é o mesmo que quando você está andando na rua e um carro buzina para você e você ouve homens gritando pela janela”, diz Sigurdardottir. “Isso só te desumaniza um pouco, como se eu não fosse uma estudante, uma garota ou uma CrossFitter. Eu sou apenas esse objeto sexual, essa garota sexy que eles sentem que precisam buzinar e gritar. “

Após uma breve pausa, ela sorri suavemente e acrescenta: “Não sei se posso dizer isso, mas às vezes gostaria apenas de deletar meu Instagram”.

Get the Newsletter

For a daily digest of all things CrossFit. Community, Competitions, Athletes, Tips, Recipes, Deals and more.

  • This field is for validation purposes and should be left unchanged.