Reescrevendo a História: Antigos Recordes São Batidos no West Coast Classic

June 21, 2021 by
Credit: West Coast Classic (instagram.com/thewestcoastclassic/)
Enjoying Morning Chalk Up? Access additional exclusive interviews, analyses, and stories with an Rx membership.

Editor’s Note: This story was translated to Portuguese from the original English version, which you can read here.

A capacidade do CrossFit de medir continuamente nosso progresso é uma de suas características únicas e que deixa muitos de nós fisgados. Portanto, para aqueles de nós que ficam particularmente entusiasmados em comparar desempenhos e medir as melhorias, nada foi mais emocionante do que o West Coast Classic em Las Vegas, NV neste fim de semana.

Relembrando: o West Coast Classic Semifinal apresentou sete workouts que foram testados anteriormente em competições regionais, CrossFit Invitationals ou nos Games entre 2013 e 2019, criando a chance de avaliar como alguns dos melhores atletas do mundo progrediram nos últimos anos, tanto como indivíduos quanto como comunidade.

  • “Achamos que seria perfeito comemorar a história do CrossFit … programando velhos workouts que foram marcantes”, explicou Matt O’Keefe, presidente da Loud & Live Sports sobre a decisão dessa programação.

Analisando mais de perto

Evento 1: 2016 Regionals Snatch Ladder

10 Squat Snatches (185/135 libras)

8 Squat Snatches (205/145 libras)

6 Squat Snatches (225/155 libras)

4 Squat Snatches (245/165 libras)

2 Squat Snatches (265 libras / 175 libras)

Em 2016, o melhor tempo dos homens em todas as oito regiões foi do  Mat Fraser de 6:05,29, enquanto o melhor tempo das mulheres foi de 5:29,82 por Kara Saunders. Ambas foram superadas em Las Vegas: Tola Morakinyo teve o melhor tempo masculino com 5:49,53, e Kloie Wilson teve o melhor tempo feminino com 5:28,26.

Vale ressaltar: o que é ainda mais impressionante do que os tempos de Morakinyo e Wilson foi a profundidade do campo no fim de semana. Em 2016, apenas 33 por cento do campo masculino de 321 atletas em todas as regiões completaram o evento dentro do limite de tempo, enquanto apenas 20,7 por cento do campo feminino terminou. Na época, apenas terminar o treino era visto como uma grande conquista.

  • Avançando para 2021, e em apenas uma semifinal com 30 atletas em cada divisão, 70 por cento do campo, tanto no lado masculino quanto no feminino, completou o evento.

Melhorias individuais notáveis: na competição contra si próprios, Noah Ohlsen, Cole Sager, Regan Huckaby e Kari Pearce ostentaram grandes recordes pessoais em relação a 2016.

  • Ohlsen diminuiu um minuto e 28 segundos em seu tempo de 2016, enquanto Sager tirou um minuto e seis segundos, e Pearce melhorou em dois minutos e 36 segundos. Enquanto isso, Huckaby nem terminou o evento em 2016 (CAP + 8 repetições), mas teve um tempo de 6: 20,72 no fim de semana.

Evento 2: 2014 CrossFIt Games ‘Legless’

27 Thrusters (95/65 libras)

4 Legless Rope Climbs

21 Thrusters

3 Legless Rope Climbs

15 Thrusters

2 Legless Rope Climbs

9 Thrusters

1 Legless Rope Climbs

“Legless” em 2013 foi a primeira vez que escaladas sem pernas à corda foram introduzidas em competição, e dizer que os atletas lutaram com o movimento, especialmente no lado feminino, é pouco. Na verdade, apenas duas mulheres completaram o treino dentro do tempo limite de 10 minutos naquele ano: Alessandra Pichelli e Christy Adkins.

Vale a pena notar: Vinte mulheres no fim de semana completaram o “Legless” antes do limite do tempo, 19 das quais superaram o melhor tempo de Pichelli de 9:33,7 em 2013. Além disso, o tempo mais rápido no fim de semana feito por Pearce (6:21,2) foi mais de três minutos mais rápido que o de Pichelli em 2013.

  • No lado masculino, o tempo de Sager de 4:50 foi um minuto e 17 segundos mais rápido do que o tempo de Josh Bridges de 6:07.3. Mais impressionante do que isso é que 19 homens no fim de semana bateram o tempo de Bridges em 2013.

Evento 3: CrossFit Games 2019 ‘Ruck Run’

6K Ruck Run com peso crescente a cada volta

(10, 30, 40, 50 libras para as mulheres, 20, 40, 50, 60 para os homens)

Embora o evento no fim de semana tenha sido semelhante aos CrossFit Games 2019, foi muito mais desafiador no West Coast Classic, e não apenas por causa do sol quente do deserto que fez Kristine Best se retirar da competição e Dani Speegle parar após a terceira volta.

  • Nos Games de 2019, os atletas carregaram seus rucks com mais peso a cada volta, enquanto no fim de semana, os atletas usaram um ruck, mas também tiveram que segurar um sandbag, que colocaram nas costas durante a segunda, terceira e quarta voltas. Isso os impediu de usar os braços enquanto corriam. Como resultado, as pontuações foram, como se esperava, muito mais lentas no fim de semana do que nos Games de 2019.

Evento 4: CrossFit Games 2017 ‘Triple-G Chipper’

100 pull-ups

80 GHD sit ups

60 pistols

40 cal row

20 push press com DB (100/70 libras)

Em 2017, o “Triple-G Chipper” foi vencido por Saunders com o tempo de 10:45,72 e Fraser com o tempo de 10:46,46. Ambos os resultados foram derrotados no West Coast Classic.

  • Bethany Shadburne teve o melhor tempo das mulheres, vencendo Saunders por 17 segundos (10:28,26), e Spencer Panchik bateu o tempo de Fraser por 53 segundos (9:53.58).
  • Ainda mais impressionante é que um total de sete homens no West Coast Classic foi mais rápido do que Fraser em 2017.

Melhorias individuais notáveis: Shadburne reduziu seu tempo de 2017 em mais de dois minutos e meio, enquanto Pearce diminuiu mais de um minuto em seu desempenho em 2017. No lado masculino, Ohlsen melhorou sua pontuação em um minuto e 39 segundos, enquanto Sager reduziu seu tempo de 2017 em mais de dois minutos.

Evento 5: Final Regional de 2017

Bike 30/25 calorias

20 burpee box jump overs (30/24 polegadas)

10 D-ball Clean(150, 100 libras)

Embora o evento em Las Vegas tenha sido semelhante ao evento Regional de 2017, houve uma grande diferença: em 2017, os atletas usaram uma sandbag no final do evento e no fim de semana eles usaram um D-ball. Portanto, uma comparação direta provavelmente não é 100% precisa.

Mas só por diversão: as duas vitórias nas competições Regionais de 2017 – Sara Sigmundsdottir (3:26,92) e Andrey Ganin (2:54,39) – foram, mais uma vez, derrotadas no West Coast Classic.

  • Três homens e quatro mulheres foram mais rápidos do que os tempos de Sigmundsdottir e Ganin em 2017. Brandon Luckett teve o melhor tempo masculinos de 2:48,92, e Dani Speegle liderou a classificação feminina com 3:01.54

Evento 6: CrossFit Games 2014 ‘Push Pull’

9 HSPU Strict Déficit

18 Toes To Bar

Sled Pull 60 pés

Sled Push 60 pés

10 HSPU Strict Déficit

20 Toes To Bar

Sled Pull 60 pés

Sled Push 60 pés

11 HSPU Strict Déficit

22 Toes To Bar

Sled Pull 60 pés

Sled Push 60 pés

12 HSPU Strict Déficit

24 Toes To Bar

Sled Pull 60 pés

Sled Push 60 pés

O evento “Push Pull” no fim de semana foi o mais diferente de sua forma original. O evento original não incluiu os 84 toes-to-bar, nem incluiu o Sled Push (Torque Tank, neste caso). Além disso, as repetições HSPU foram menores em 2014, e a parte de puxar do treino envolveu puxar um trenó com peso ao invés de um tanque de torque. Assim, o evento de 2014 foi mais um sprint, enquanto o evento do fim de semana teve um limite de tempo de 17 minutos.

  • Como resultado, o evento pode ser visto mais como sendo “inspirado” pelo evento de 2014, como um comentarista disse no fim de semana, em vez de repetir o treino.

Evento 7: 2015 Regionals Closer

15 Ring Muscle Ups

1 Squat Clean (235/150 libras)

1 Squat Clean (255/165 libras)

1 Squat Clean (275/180 libras)

1 Squat Clean (285/190 libras)

1 Squat Clean (295/200 libras)

Mais uma vez, este treino final no fim de semana em Las Vegas foi semelhante, mas não exatamente igual ao evento regional de 2015.

  • A diferença: a escada de clean das mulheres começou com 135 libras e atingiu 175 libras em 2015, enquanto neste fim de semana começou com 150 e foi para 200 libras. No lado masculino, os pesos de 2015 começaram com 225 libras e chegaram a 265 libras.

Vale a pena notar: considerando que as barras eram consideravelmente mais pesadas no West Coast Classic, uma comparação direta não parece justa. No entanto, deixe para os atletas se orgulharem de pontuações comparáveis ​​a 2015, mesmo quando a barra final era 13 kg mais pesada para os homens e 11 kg mais pesada para as mulheres do que há seis anos.

  • O tempo de vitória de Cedric Lapointe de 1:20,59 no fim de semana foi apenas três segundos mais lento do que o vencedor em todas as regiões em 2015 – Shane McBride (1: 17,7).
  • Do lado feminino, o tempo de vitória de Danielle Brandon de 1:30,49 não estava muito longe do tempo de vitória de Amanda Goodman em 2015 (1:21).

Melhorias individuais notáveis: apesar das barras significativamente mais pesadas, Pearce superou seu tempo de 2015 em quase 30 segundos – 2:32,0 em 2015 e 2:03,21 no fim de semana – enquanto Noah Ohlsen teve exatamente o mesmo tempo em 2015 (1:24)

Resumindo: Tão impressionante quanto Pichelli foi em 2014, quando ela mostrou ao mundo como terminar o  “Legless” antes do limite do tempo, ou tão bom quanto Fraser foi na Escada de Snatch em 2016, os atletas do West Coast Classic provaram o quanto estão em forma hoje. As perguntas então se tornam: Qual é o limite da aptidão humana? Existe um limite?

  • A boa notícia é que talvez tenhamos a oportunidade de descobrir nos próximos anos, como O’Keefe disse, ele acha que “continuará com esse tema (no West Coast Classic) nos próximos anos.”
  • É uma ótima maneira de fornecer “contexto e celebrar o passado e o progresso do esporte”, acrescentou.

Get the Newsletter

For a daily digest of all things CrossFit. Community, Competitions, Athletes, Tips, Recipes, Deals and more.

This field is for validation purposes and should be left unchanged.